As restrições de viagens impostas por muitos países (incluindo confinamento, encerramento de fronteiras e quarentenas) fez com que as operações em toda a rede VINCI Airports ficassem quase paradas no segundo trimestre de 2020. O número de passageiros caiu quase 98% em abril e maio, em comparação com o mesmo período do ano anterior. A recente flexibilização, seguida do levantamento gradual das restrições, permitiu retomar ligeiramente o tráfego de passageiros, embora continue a ser baixo (-94,1% em junho de 2020 contra junho de 2019).

Globalmente, com um total de 2,4 milhões de passageiros nos 45 aeroportos da rede VINCI Airports[1], o número de passageiros no segundo trimestre de 2020 contraiu 96,4% em comparação com o período homólogo de 2019. Apesar do colapso no tráfego comercial, os aeroportos continuaram a operar durante todo o período para satisfazer as necessidades das viagens aéreas de serviços públicos, tais como voos de repatriamento, transferência de doentes, voos humanitários, de profissionais de saúde e equipamento médico, e transporte de mercadorias.

Em colaboração com as autoridades locais, a VINCI Airports implementou medidas de segurança sanitária em todos dos seus aeroportos, a fim de facilitar a retoma do tráfego comercial. Estas medidas incluem em particular a redução da densidade de passageiros em todas as fases da viagem, através da gestão dos fluxos em conformidade, utilizando marcações no chão para assegurar o distanciamento social nas filas de espera, exigência do uso de máscaras, dispensa de desinfetante para mãos, desinfeção e ventilação de espaços interiores em todo o aeroporto.

Mais infomação aqui.

[1] Dados a 100% estimados em 16 de julho de 2020. Os dados de 2019 incluem o tráfego aeroportuário de um ano inteiro.